“Sabei que o Eu (Self) é o cavaleiro, e que o corpo é a carruagem; que o intelecto (Budhi - discernimento, conhecimento intuitivo, inteligência) é o cocheiro, e que a mente são as rédeas; os sentidos, dizem os sábios, são os cavalos; as estradas por onde passam são os labirintos do desejo. Quando o homem não possui discernimento, e sua mente está desgovernada, seus sentidos estão incontroláveis, como os cavalos rebeldes de um cocheiro. Porém, quando o homem possui discernimento e sua mente está controlada, seus sentidos, como os cavalos bem domados de um cocheiro, obedecem alegremente às rédeas.” “O homem que tenha por cocheiro a consciência intuitiva e por rédeas a mente, atinge o final da jornada!”.

(Upanishads, versão de Swami Prabhavananda e Frederick Manchester)